ouvido humano

Muitas vezes se ouve dizer que as mulheres falam demais… Mas não tem problema. Porque o ouvido masculino (seletivo) escuta somente o que interessa. Preste atenção: O que a mulher diz: - Esse lugar está uma bagunça, amor! Você e eu precisamos limpar isto. Suas coisas estão jogadas no chão e você vai ficar sem roupas pra usar se não lavá-las agora mesmo. O que o homem escuta: blah, blah, blah, blah, AMOR, blah, blah, blah, blah, VOCÊ E EU, blah, blah, blah, blah, NO CHÃO, blah, blah, blah, blah, SEM ROUPAS, blah, blah, blah, blah, AGORA MESMO. (Carlos Drummond de Andrade)

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Medo de viver!!!!!!!!!!!!

  Vou logo informando, não sou nem um especialista em problemas da mente, sou apenas um curioso e é um assunto que gosto de pensar, o que você entende pela  expressão: bomba-relógio e gatilho? acho que quando penso nisso me vem a mente uma pessoa que esta a beira do suicídio, que esta cheia de problemas e quem se encontra próximo a ela não percebe o que ta se passando, na minha concepção bomba-relógio é aquele individuo que acha que nada ta dando certo em sua vida, que ele não consegue ver nenhuma possibilidade de melhorar e comete atos que alem de por fim a sua vida, quer levar com ele seus familiares,  o gatilho esta em constante alerta, só esperando o momento que algo dê errado pra que ele não suporte uma palavra ou ação e termine com sua própria vida, com o advento de palavras como stresse, depressão, síndromes disso, daquilo, não acreditar em mais nada, se sentir humilhado, fracassado, não tem emprego, se sente cansado, olha, é muita coisa pra um ser humano suportar, tem que buscar forças muito acima de sua capacidade, tem que ter muita fé, força de vontade pra alcançar seus objetivos, alguns de nos devem conhecer pessoas próximas a nos que se mataram, você para e pensa; poxa ontem mesmo ela tava tão normal, não conseguir detectar nenhum problema em suas atitudes, para nos que sempre nos achamos normais, achamos  que essas coisas nunca vão acontecer conosco, sempre digo a mim mesmo; é muito bom julgarmos os outros, não sabemos o que se passa na mente dos outros e os outros também não sabem o que se passa na da gente, não se culpe por uma pessoa ligada a você cometer suicídio, as vezes não tínhamos como saber que ela estava passando por isso, as vezes é um ato planejado com requinte e de outras vezes é cometido na hora, é difícil entendemos isso, mas, como se diz; enquanto a vida e amigos...

4 comentários:

Luciana Penteado disse...

Muito bom o seu texto. As pessoas são um turbilhão, prontas pra qualquer ato, depende da relevância que damos a ele ou o tipo de personalidade de ostentamos.
A verdade é que as pessoas só pensam em si mesmas e, na maioria das vezes, cometem o erro de julgar os outros por si mesmas, segundo os seus pensamentos e concepções.
Acabam atrapalhando e nunca intuindo o que de fato está havendo com o outro.
Mas somos aprendizes e aqi estamos para passar por todas as vivências, a cada dia melhorando a nossa performance psicológica.
Muito boa a reflexão!

luiz scalercio disse...

belissimo texto.
muito bom seu blog.
comente no blog
www.analucianicolau.adv.br

Flor disse...

Querido amigo sempre que leio seus posts reflito sobre eles e lembro-me de coisas boas. Eles me alegram e inspiram!

Este seu post Vulcano serve como um alerta para todos nós!

E como lenitivo para a problemática que ele aborda trago Paulo Coelho (muito embora não seja fã ardorosa desse escritor)!

"Não existe nada de completamente errado no mundo, mesmo um relógio parado, consegue estar certo duas vezes por dia".

Paulo Coelho


Beijos!

Flor.

Flor disse...

UM POUCO DE HUMOR...


"Estás desempregado? Teu amor sumiu? Calma: sempre pode pintar uma jamanta na esquina.

Tenho um amigo, cujo nome, por muitas razões, não posso dizer, conhecido como o mais dark. Dark no visual, dark nas emoções, dark nas palavras: darkésimo. Não nos conhecemos a muito tempo, mas imagino que, quando ainda não havia darks, ele já era dark. Do alto de sua darkice futurista, devia olhar com soberano desprezo para aquela extensa legião de paz e amor, trocando flores, vestida de branco e cheia de esperança.Pode parecer ilógico, mas o mais dark dos meus amigos é também uma das pessoas mais engraçadas que conheço. Rio sem parar do humor dele- humor dark, claro. Outro dia esperávamos um elevador, exaustos no fim da tarde, quando de repente ele revirou os olhos, encostou a cabeça na parede, suspirou bem fundo e soltou essa: -"Ai, meu Deus, minha única esperança é que uma jamanta passe por cima de mim..." Descemos o elevador rindo feito hienas. Devíamos ter ido embora, mas foi num daqueles dias gelados, propícios aos conhaques e às abobrinhas.

Tomamos um conhaque no bar. E imaginamos uma história assim: você anda só, cheio de tristeza, desamado, duro, sem fé nem futuro. Aí você liga para o Jamanta Express e pede: -"Por favor, preciso de uma jamanta às 30h15, na esquina da rua tal com tal. O cheque estará no bolso esquerdo da calça". Às 20h14, na tal esquina (uma ótima esquina é a Franca com Haddock Lobo, que tem aquela descidona) , você olha para esquina de cima. E lá está- maravilha!- parada uma enorme jamanta reluzente, soltando fogo pelas ventas que nem um dragão de história infantil. O motorista espia pela janela, olha para você e levanta o polegar. Você levanta o polegar: tudo bem. E começa a atravessar a rua. A jamanta arranca a mil, pneus guinchando no asfalto. Pronto: acabou. Um fio de sangue escorrendo pelo queixo, a vítima geme suas últimas palavras: -"Morro feliz. Era tudo que eu queria..."

Dia seguinte, meu amigo dark contou: - "Tive um sonho lindo. Imagina só, uma jamanta toda dourada..." Rimos até ficar com dor na barriga. E eu lembrei dum poema antigo de Drummond. Aquele Consolo na Praia, sabe qual? "Vamos não chores / A infância está perdida/ A mocidade está perdida/ Mas a vida não se perdeu" – ele começa, antes de enumerar as perdas irreparáveis: perdeste o amigo, perdeste o amor, não tens nada além da mágoa e solidão. E quando o desejo da jamanta ameaça invadir o poema – Drummond, o Carlos, pergunta: "Mas, e o humor?" Porque esse talvez seja o único remédio quando ameaça doer demais: invente uma boa abobrinha e ria, feito louco, feito idiota, ria até que o que parece trágico perca o sentido e fique tão ridículo que só sobra mesmo a vontade de dar uma boa gargalhada. Dark, qual o problema?

Deus é naja - descobrimos outro dia.

O mais dark dos meus amigos tem esse poder, esse condão. E isso que ele anda numa fase problemática. Problemas darks, evidentemente. Naja ou não, Deus (ou Diabo?) guarde sua capacidade de rir descontroladamente de tudo. Eu, às vezes, só às vezes, também consigo. Ultimamente, quase não. Porque também me acontece – como pode estar acontecendo a você que quem sabe me lê agora - de achar que tudo isso talvez não tenha a menor graça. Pode ser: Deus é naja, nunca esqueça, baby.Segure seu humor. Seguro o meu, mesmo dark: vou dormir profundamente e sonhar com uma jamanta. A mil por hora."

Caio F. Abreu